A 400 km/h e mais um pouco

Depois do revolucionário Veyron, primeiro carro de passeio a superar a barreira dos 400 km/h, a marca francesa Bugatti lança moda

Amadeo Gattieri, especial para o iG São Paulo

Quando lançou seu último modelo, em 2004, a Bugatti redefiniu o conceito de supercarro. O Veyron não era apenas o topo de linha da marca. Era o auge de tudo o que já havia sido feito. Impulsionado por um enorme motor de 16 cilindros, o Veyron foi o primeiro carro de passeio a atingir 1.000 cavalos de potência, e quebrar a barreira dos 400 km/h. Números que fazem até um Fórmula 1, com seus 800 CV e 350 km/h de velocidade máxima, parecer pequeno.

Na época, ninguém acreditava que fosse possível desenvolver peças (motor, câmbio, freio e pneus) capazes de trabalhar a mais de 400 km/h. E, principalmente, que fosse possível fazer isso num carro de passeio. Agora, seis anos depois, a Bugatti lança seu novo carro, o Veyron Super Sport, com 1.200 cavalos de potência e 434 km/h de velocidade máxima.

E isso é um quase um milagre. Veja por que:

Chegar a 250 km/h é fácil - o Veyron usa apenas 270 dos seus cavalos de potência para fazer isso. Acontece que, a partir daí, as leis da física impõem barreiras. A fricção da carroceria com o ar e o atrito dos pneus com o solo, principalmente num veículo grande e pesado como ele (que comporta quatro passageiros e pesa mais de 2 mil kg), tornam cada vez mais difícil ganhar velocidade. É por isso que a maior parte da potência do motor - 77,5% dela -, serve apenas para fazer o carro partir desses 250 km/h e chegar a 434 km/h. 

Divulgação
A velocidade máxima do Bugatti Veyron Super Sport foi alcançada na pista de testes da Volkswagen, na Alemanha: 434 km/h
A velocidade máxima foi registrada na pista de testes da Volkswagen (que é dona da Bugatti) em Wolfsburg, na Alemanha, no dia 5 de julho, e registrada por fiscais do Guinness Book. Mas quem comprar o Veyron Super Sport, que será vendido por US$ 2,5 milhões, terá de se contentar com um pouco menos. Para evitar o desgaste excessivo dos pneus, a Bugatti optou por limitar eletronicamente a velocidade do SuperSport a 415 km/h.

O Veyron é tão rápido por causa do seu motor de 16 cilindros, que são dispostos numa configuração em "W" - é como se ele tivesse dois motores V8 unidos num só - com direito a quatro turbos. Para administrar toda essa potência, o carro tem dez radiadores, tração nas quatro rodas, câmbio de sete marchas e um aerofólio móvel, que se ergue automaticamente na traseira quando a velocidade ultrapassa 220 km/h.

Quando o motorista pisa no freio, o aerofólio muda de ângulo – fica na vertical e atua como os flaps dos aviões, ajudando a reduzir a velocidade. Todas essas características podem fazer parecer que o Veyron Super Sport é um carro que coloca o desempenho acima de tudo e deixa o refinamento em segundo plano. Nada disso.

Revestido em couro, madeira e magnésio, o interior do Veyron reúne todas as comodidades que se espera de um carro de luxo, como ar-condicionado com regulagens individuais e pneus do tipo run-flat, que mesmo furados podem rodar até 40 km. Esses pneus, que foram desenvolvidos especialmente pela Michelin na França, custam US$ 25 mil cada - só o valor de um jogo deles é o suficiente para comprar uma Mercedes S550.

Serviço:

Bugatti Veyron Super Sport
Preço:
US$ 2,5 milhões

Distribuidor no Brasil:
British Cars do Brasil Ltda.
Avenida Colômbia, 784 - São Paulo (SP)
Tel: (11) 3086-8888

    Leia tudo sobre: BugattiVeyron Super Sportcarroluxo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG