Imóveis de R$ 60 milhões e R$ 50 milhões são realidade no Rio e São Paulo

Por Juliana Bianchi , iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Cidades lideram o ranking dos imóveis mais caros do Brasil, onde novos empreendimentos em localizações premium já nascem com metro quadrado de até R$ 26 mil

Uma das ruas mais bem localizadas, calmas e arborizadas de São Paulo, a General Mena Barreto, no bairro do Jardim Paulista, atrás do hotel Unique, está prestes a ser o endereço do lançamento imobiliário com metro quadrado mais caro na história da cidade. Com apresentação oficial marcada para os próximos meses, o prédio da JHSF projetado pelo arquiteto argentino Pablo Slemenson (responsável também pelos edifícios Chateau Lafite e Chateau Margaux, na Vila Nova Conceição, cujas metragens estão entre as mais valorizadas da capital) tem seu metro quadrado cotado em R$ 26 mil. O que significa que cada um dos seis apartamentos tipo, com 371 m² cada, sairá a partir de R$ 9,6 milhões, e a cobertura duplex, com 727 m², não custará menos de R$ 18,9 milhões. Valor 43% acima do recorde anterior, pertencente a outra cobertura duplex, com 448 m², em edifício recém-lançado em Moema pela Cyrela, segundo levantamento da Geoimovel.

Mais:
- Prédio em Mônaco terá cobertura mais cara do mundo

Perspectiva do novo edifício da JHSF na rua Mena Barreto, em São Paulo: lançamento com metro quadrado mais caro do Brasil. Foto: ReproduçãoO apartamento tipo do edifício terá 371 m². Cada metro quadrado custa R$ 26 mil . Foto: ReproduçãoEstima-se que a taxa de condomínio do novo edifício ser´de R$ 9.500. Foto: ReproduçãoNo Itaim Bibi está o apartamento à venda mais caro de São paulo: R$ 50 milhões pela cobertura triplex de  911 m². Foto: DivulgaçãoNo Rio de Janeiro, onde um imóvel está sendo ofertado por R$ 60 milhões, é possível encontrar diversos na faixa dos R$ 30 milhões. Foto: ReproduçãoEsta cobertura triplex, de 583 m², no Leblon é um dos imóveis disponíveis por R$ 35 milhões. Foto: ReproduçãoComercializada pela J.Tavares, a cobertura tem vista direta para a praia, o Morro Dois Irmãos e o Arpoador. Foto: ReproduçãoApenas com portaria e segurança 24h, o condomínio deste imóvel está em torno de R$ 6 mil. Foto: ReproduçãoEste outro imóvel de 771 m², na avenida Delfim Moreira, no Rio, está à venda por R$ 32 milhões. Foto: DivulgaçãoCom três andares, a cobertura inclui piscina, terraço e cinco suítes. Foto: DivulgaçãoO empreendimento de R$ 32 milhões é rodeado por varanda. Foto: DivulgaçãoUm dos poucos imóveis novos na orla do Leblon, o apartamento em frente ao posto 12 dá direito a quatro vagas de garagem. Foto: DivulgaçãoCom revestimentos ainda brilhando, o imóvel está pronto para ser habitado. Foto: DivulgaçãoVista do último andar do triplex à venda por R$ 32 milhões no Leblon. Foto: DivulgaçãoEm frente à praia de Copacabana, o imóvel de R$ 1.018 m² está à venda por R$ 30 milhões. Foto: DivulgaçãoO imóvel na cobertura tem lago de carpas, churrasqueira, chafariz, sauna e piscina. Foto: DivulgaçãoVista do apartamento de R$ 30 milhões à venda em Copacabana. Foto: DivulgaçãoUma das varandas estendidas da cobertura em Copacabana. Foto: DivulgaçãoProjeto em 3D do Vitra, no Itaim Bibi (SP). Primeiro empreendimento assinado por Daniel Libeskind na América do Sul. A cobertura está avaliada em R$ 30 milhões. Foto: Divulgação

“A escassez de espaço para novos empreendimentos de alto padrão em regiões muito valorizadas é o que faz o valor subir tanto, principalmente entre os imóveis mais antigos e bem localizados”, afirma José Eduardo Cazarin, da Axpe Imóveis. E, contrariando as previsões do mercado que fala em desaceleração, Fernando Sita, diretor geral da Coelho da Fonseca, responsável pelo lançamento milionário nos Jardins, garante que nos próximos três anos os imóveis desse nicho poderão valorizar de 15% a 20%. “Ainda tem muito para crescer. Estamos longe do teto de preços”, diz.

Se o aquecimento realmente continuar nesse ritmo, muito em breve alguns imóveis antigos localizados em regiões nobres de São Paulo e Rio de Janeiro poderão chegar ao mesmo patamar de apartamentos com vista para o Central Park, em Nova York, onde o metro quadrado gira em torno dos US$ 45 mil. No Brasil, o ranking de apartamentos mais caros disponíveis para compra é liderado por uma cobertura duplex de 1 mil m² na Avenida Vieira Souto, Rio, cujo preço de venda gira em torno dos R$ 60 milhões. Rodeada de mistérios devido ao alto valor, sabe-se apenas que possui extensa varanda de frente para o mar, diversas salas e quatro suítes. “O preço dos imóveis na orla de Ipanema e do Leblon é um disparate. A apenas uma quadra da praia, um apartamento com 700 m² pode sair por seis ou sete milhões de reais”, afirma Marcia Arede, gerente de marketing da J.Tavares.

Mais:
- Casa mais cara do mundo tem 27 andares e vale US$ 1 bilhão

A avaliação não significa que a imobiliária foge à regra do mercado. Em sua carteira é possível encontrar, por exemplo, duas coberturas triplex no Leblon, com vista para o Morro Dois Irmãos e o Arpoador. A primeira, de 583 m², avaliada em R$ 35 milhões, tem cinco suítes, três vagas de garagem e condomínio mensal de R$ 6 mil (com direito apenas a portaria e segurança 24 horas). A outra, em um dos raros empreendimentos novos na Avenida Delfim Moreira, tem 771 m², cinco suítes, piscina e quatro garagens, e pode ser adquirida por R$ 32 milhões.

Ranking dos apartamentos à venda mais caros do Brasil
PreçoLocalizaçãoDetalhes
R$ 60 milhões Ipanema (Av. Vieira Souto)Cobertura duplex de 1 mil m², quatro suítes, rodeado por varanda, de frente para o mar de Ipanema
R$ 50 milhõesItaim Bibi (R. Leopoldo Couto de Magahães)Cobertura triplex de 910 m², com nove vagas na garagem, quatro suítes e três dormitórios para empregados. Condomínio mensal de R$ 9.500
R$ 49 milhõesVila Nova ConceiçãoCobertura de 1.379 m²
R$ 48 milhõesVila Nova Conceição (Praça Pereira Coutinho)Cobertura duplex de 822 m², com seis suítes, 10 vagas na garagem e piscina coberta
R$ 35 milhõesJardim Paulistano (R. Tucumã)Cobertura triplex com mais de 1 mil m²
R$ 35 milhõesLeblon (Av. Delfim Moreira) Cobertura triplex de 583 m², com cinco suítes, trÇes vagas de garagem, adega, piscina e taxa de condomínio de R$ 6 mil
R$ 32 milhõesLeblon (Av. Delfim Moreira)Cobertura triplex de 771 m², com piscina, vista para o mar, cinco suítes e quatro vagas de garagem
R$ 30 milhõesCopacabana (Av. Nossa Senhora de Copacabana) Cobertura com 1.018 m², seis quartos, duas suítes, piscina, chafariz, sauna, churrasqueira e três vagas na garagem
R$ 30 milhõesItaim Bibi (R. Horácio Lafer)Cobertura duplex de 1.145 m² em prédio assinado pelo arquiteto Daniel Libeskind
R$ 26 milhõesJardim Paulista (R. Peixoto Gomide)Cobertura Triplex de 820 m², com cinco suítes, oito vagas de garagem e condomínio de R$ 6.700


Em São Paulo

Valores de metro quadrado compatíveis com o de áreas nobres em bairros como Vila Nova Conceição, Itaim Bibi e Jardins, em São Paulo. “Não se pode falar em um preço médio para o bairro inteiro, porque têm pequenas áreas dentro deles que são muito melhor localizadas”, explica Sita, que tem hoje disponível em seu portfólio um caso claro desse tipo de distinção. Localizadas em pontos diferentes da Vila Nova Conceição, uma cobertura de 822 m², próxima à Praça Pereira Coutinho, está à venda por R$ 48 milhões, enquanto outra, um pouco mais distante do quadrilátero de ouro, mas com 1.379 m² vale apenas R$ 1 milhão a mais. Diferença que cai um pouco quando se trata de apartamentos tipo. No edifício L’Essence (na rua João Lourenço), por exemplo, um imóvel de 726 m², com cinco suítes e oito vagas de garagem está disponível por R$ 22 milhões, enquanto outro, de 700 m², na mesma praça Pereira Coutinho, está no mercado por R$ 25 milhões.

Mas se o bairro vizinho ao parque do Ibirapuera reúne o maior número de apartamentos de alto padrão por quarteirão paulistano, está no Itaim Bibi, no trecho entre as ruas Tabapuã, Horácio Lafer e Leopoldo Couto de Magalhães, próximo ao Parque do Povo, um dos imóveis mais valorizado da cidade. À venda por R$ 50 milhões, o triplex de 910 m² na rua Leopoldo Couto de Magalhães tem nove vagas na garagem, quatro suítes e três dormitórios para empregados e ainda vem com taxa mensal de condomínio de R$ 9.500 de condomínio (para uso do salão de festas, spa, piscina e quadra de esportes). “Mas cerca de 70% do cálculo do condomínio em qualquer imóvel de alto padrão é referente à segurança”, lembra Sita.

Na mesma região, a cobertura duplex de 1.145 m², ainda em construção no edifício Vitra, assinado pelo arquiteto Daniel Libeskind, está avaliada em R$ 30 milhões (preço 50% acima do estimado durante o lançamento do projeto, em novembro de 2010). E, com vista para o Jockey Club de São Paulo, o triplex de mais de 1 mil m² no topo do edifício Vila Europa, na Rua Tucumã, sai por R$ 35 milhões. 

Mudanças no mercado

Se a tendência de alta no mercado de alto padrão não muda, o mesmo não se pode dizer do público. “Há dez anos os compradores desse tipo de imóvel eram empresários de 55 a 60 anos. Hoje a faixa etária caiu para 45 anos e entraram novos consumidores do mercado de tecnologia, médicos e advogados querendo morar melhor”, avalia o diretor da Coelho da Fonseca. O desejo de viver em edifícios reconhecidos por seu alto padrão faz até mesmo com que uma única pessoa ocupe imóveis de mais de 700 m² pelo simples prazer de morar bem.



Leia também:
- Os barcos mais incríveis de todos os tempos
- Hotéis oferecem experiências exclusivas que vão muito além da hospedagem

Leia tudo sobre: imóvelapartamentomais caro

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas